terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

A gaita nos lábios da fama (parte 2 de 2)



Quem acompanhou a sequência da postagem anterior "A gaita nos lábios da fama (parte 1 de 2)", assistiu uma seleção especial de vídeos de artistas e músicos de talento e fama indiscutível que usaram a gaita em seus shows, gravações, e atraíram atenção de multidões para esse instrumento, levando uma enorme quantidade de pessoas a se encantar com o mesmo, e inspirando muitos a tentar tocá-lo. Inclusive também expliquei para quem está começando a tocar gaita, algumas informações técnicas sobre os tons de gaita usados nos vídeos e sua relação com o tom da canção, além de indicar algumas vídeo aulas disponíveis na web com tablaturas e riffs. Agora espero contextualizar, no meu ponto de vista, como o fenômeno de artistas consagrados que usaram a gaita em suas gravações e shows, tal como Bob Dylan, Bruce Springsteen, John Lennon, Alanis Morissette, Shakira, Neil Young, Bryan Adams, dentre outros, ajudou a formar a noção geral de gaita que costumo observar por aí, explicando do que se trataria isto.

É curioso notar que, raramente, algum músico num show de responsabilidade, se aventura a tocar um acordeom, um piano, um sax, um violino, uma bateria em público, sem dispor de noção técnica, de estudo do mesmo, mas por alguma razão, isso é bem comum de se acontecer quando se trata da gaita diatônica, e não só com artistas famosos. Se por um lado, grandes pop stars deram visibilidade à harmônica de boca, por outro, esta visibilidade parece ter contribuído para difundir uma imagem de a gaita ser um instrumento supostamente sem muita possibilidade de variação sonora para além daquele som que se ouve tais artistas tocando. Isto é muito natural, pois ninguém é obrigado a conhecer as reais possibilidades do instrumento e os músicos gaitistas que realmente exploraram a complexidade e variedade de sons, timbres e recursos em geral que a "gaitinha" oferece. Mas podemos observar que o padrão sonoro do instrumento tocado por celebridades que não estudaram de fato a gaita, onde geralmente se explora mais acordes cheios, ritmo, sem maior definição das notas, nem variação de escalas e de efeitos, parece ter se tornado a referência para a maioria das pessoas, como se esse som mais "cru", fosse o único que se pudesse extrair de uma "gaitinha de blues", entende? Então qualquer um que tira uma gaita do bolso e faz um som "meia boca" é aplaudido e considerado um grande tocador de gaita. Consegue deduzir como isto impactaria gaitistas profissionais que estudam à sério o instrumento e dele vivem? 

Há muitas pessoas no meio musical que enxergam a harmônica como um instrumento sem maiores possibilidades – vêem-na quase que como um brinquedinho sonoro – que pode tocar de qualquer jeito sem técnica; que não é prioridade na passagem de som de uma banda (ou que nem precisa disto); que qualquer um pode tocar; que não precisa estudar como outros instrumentos e que só se toca no feeling; que não precisa chamar gaitista pra gravar ou pra tocar já que o próprio vocalista ou outro músico qualquer pode tirar uma gaitinha do bolso e fazer uma graça; e por aí vai. Essas crenças terminaram sendo disseminadas também entre músicos, produtores e técnicos de som e de estúdio, donos de bares, etc. A quantidade de situações que desmerecem a gaita e gaitistas é tão grande, que quase sempre as pessoas se espantam ao ter a oportunidade de ouvir (quando se permitem ouvir) quem toque de maneira mais refinada, principalmente quando utilizados alguns equipamentos que proporcionam ao instrumento um som mais robusto, fazendo-lhe soar semelhante a uma guitarra, modalidade usada por gaitistas desde o final da década de quarenta.  

Não viso aqui avaliar ninguém como "certo" ou "errado" pelo que fez ou deixou de fazer, nem definir como "bom" ou "ruim", "melhor" ou "pior" o som da gaita tocada por músicos famosos que não necessariamente estudaram gaita a fundo. Também estou longe de querer insinuar que estes não devessem tocar gaita em seus shows, mas apenas venho reforçar esse fato: quanto mais pessoas (principalmente famosas) tem arriscado um solo por aí sem saber tocar realmente o instrumento; nem deixar claro que se trata apenas de um flerte, uma graça, uma aventura; ou até mesmo pensando que sabe como tocar, quando ainda só dispõe de noções básicas do instrumento; então mais eles contribuem para retroalimentar certas crenças que terminam por prejudicar o trabalho de gaitistas profissionais, disseminando esta imagem simplória e caricata do instrumento como se fosse a sua totalidade. Só quem já ouviu o som da gaita tocada por harmonicistas profissionais, sabe reconhecer o verdadeiro potencial sonoro de uma "gaitinha" e discernir do som daqueles que estão "brincando" de tocar o instrumento.

Então, pra não restar dúvidas, recomendo pesquisar gaitistas como: Little Walter, Big Walter Horton, Sony Terry, Jerry Boogie McCain, Jason Ricci, Flávio Guimarães, Mariano Massolo, Norton Bufalo, Lee Oskar, Howard Levy, John Popper, Brendan Power, Ivan Márcio, Indiara Sfair, J.J. Milteau, Sugar Blue, Mark Ford, And JustNatacha SearaTiffany Harp, Jefferson Gonçalves, Robson Fernandes, Marcelo Naves, Sérgio Duarte, Vasco Faé, Otávio Castro, Paulo Prot, Julio Rego, Marcio Maresia, dentre tantos outros. Depois de ouvir o som deles, volta no post anterior e perceba a diferença.